O Tempo Pascal

Jesus Ressucitado com MadalenaNestas semanas que determinam o Tempo Pascal – os domingos depois da Páscoa até a Véspera de Pentecostes –  o lecionário litúrgico apresenta perícopes (partes) do Evangelho onde se narram os diversos encontros com o Ressuscitado.

Nós, de São Lucas, estaremos meditando e estudando esses encontros e buscando – cada um de nós – novos encontros com o Cristo Vivo e renovando nosso compromisso com a Missão. Nossa saudação liturgia, neste Tempo, é:

O Senhor Ressuscitou! Aleluia!

Verdadeiramente o Senhor Ressuscitou!

Aleluia! Aleluia! Aleluia!

A Ressurreição de Jesus é um dos eixos da pregação (kerigma)cristã assim como Sua Encarnação, Paixão e Morte. Este é o núcleo da pregação da Igreja dos Apóstolos e Apóstolas, homens e mulheres que foram testemunhas do Cristo Ressuscitado, que O viram e conviveram com Ele após a ressurreição. Este é o núcleo da pregação e da motivação para a ação da Igreja desde sempre! Continue lendo O Tempo Pascal

Um pouco de história…

Conhecer a História da Igreja Cristã é a melhor maneira de não se deixar levar por modismos e ideologias de consumo religioso.

Hoje em dia o adjetivo “evangélico” está substantivado, como identidade de grupos religiosos dos mais diversos, todos se afirmando “cristãos”, embora grande parte deles não professa exatamente a Fé Evangélica Cristã.

Entretanto, o desgaste sofrido pelo adjetivo “evangélico” leva as pessoas a pensarem que “ser evangélico” é exatamente ter a prática religiosa desses grupos, especialmente aqueles grupos em que a Graça e a Bênção são substituídas pela prosperidade material, pela compra de bênçãos e pela idolatria de seus líderes.

Em poucas palavras, de forma bem resumida, é bom lembrar que o adjetivo “Evangélica” foi atribuído por Martinho Lutero quando – excomungado pela Igreja de Roma – definiu seu grupo como Igreja Evangélica, não em oposição à Igreja Católica, mas afirmando a identidade de uma Reforma que deveria fazer a Igreja retornar sua confessionalidade à afirmação dos valores do Evangelho: a salvação pela Graça mediante pela Fé, e total obediência ao senhorio de Cristo, sempre com base nas Escrituras. Continue lendo Um pouco de história…

Jesus, o Cristo, está vivo e conosco para sempre!

O texto do Santo Evangelho lido hoje (João 20.1-18) fala por si mesmo. Tem sua própria linguagem! Tem sua própria semântica, seu contexto e intenção! É pelo teu coração que você precisa ver e crer!

A Fé Cristã só pode ser entendida e experimentada como um dom!  Ela é como poesia… Uma poesia de Ivan Junqueira, pode ajudar a entender isso:

Flor amarela    (Ivan Junqueira – * 1934 , + 2014)

Atrás daquela montanha tem uma flor amarela;

dentro da flor amarela, o menino que você era.

Porém,

se atrás daquela montanha não houver a tal flor amarela,

o importante é acreditar

que atrás de outra montanha tenha uma flor amarela,

com o menino que você era

guardado dentro dela

Lido dentro de uma lógica cartesiana/aristotélica, o texto  do evangelho – assim como o poema acima – se torna absurdo. Lido na perspectiva da fé (e da poesia), o texto ganha significado de esperança, cria sentido para a vida, abre portas para libertação!

Que o Tempo Pascal, hoje iniciado, e o viveremos até o Pentecostes, seja oportunidade de crescimento em conhecimento e graça para todas as pessoas de nossa comunidade paroquial e diocese.

Jesus, o Cristo está vivo! Hoje e sempre!

Rev. Luiz Caetano, ost+