E, então, apareceu um vírus!

VírusO mundo ia bem, obrigado!

E, então, apareceu um vírus!

Outro vírus! cada ano aparece um para criar problemas. Mas desta vez, o vírus 2020 quebrou as pernas do mundo. Virou pandemia e então ficamos como Adão depois de comer o fruto proibido: nos descobrimos nus, descobrimos que um simples e invisível vírus pode ameaçar a humanidade, essa população de mamíferos que se julga especial, cada humano se imaginando um deus.

Imaginávamos que fôssemos deuses e descobrimos que somos deuses que podem ser liquidados pelo vírus. Em poucos meses, o mundo ficou caótico:  descobrimos que não somos deuses! somos totalmente frágeis diante da Natureza, que  – à seu modo- corrige os desvios…

Inclusividade

O vírus 2020 é, como disse um amigo, bastante democrático: ao contrários de outros que apareceram por ai, não distingue ricos e pobres, raças, religiões, gênero… não exclui ninguém! é um vírus politicamente correto, bem ao gosto dos miltontos e militontas que andam por ai fiscalizando as atitudes alheias.

A quarentena é uma oportunidade quaresmal

O fechamento dos templos, sem o blá-blá-blá dos pregadores histéricos metidos a donos da verdade,  nos obriga a olhar para dentro de nós mesmos e refletir sobre a nossa fragilidade total e absoluta. Deus, que não habita em templos, nem promove histerias, se coloca diante de nós e nos pergunta: onde andas? onde está teu irmão? onde está o teu futuro insanamente planejado e seguro? e, mais uma vez descobrimos que não estamos no Paraíso.

Aproveitemos esse tempo de quarentena para rever nossa visão de mundo, nossa compreensão do ser humano, perceber a interdependência de todos os seres que habitam juntos este planeta, criado por Deus como um jardim e dado a nós para sermos os jardineiros.

Oportunidade para redescobrir a família, tão prejudicada pelas falsas urgências que geram ansiedade e que nos são impostas pelo uso irresponsável da tecnologia de informação.

Com o vírus 2020 devemos perder a arrogância; aos poucos vamos ter de redescobrir a solidariedade ou vamos nos liquidar uns aos outros disputando a escassez de tudo, que se apresenta no horizonte.

Esperançando Jesus acolhedor

Confiamos em Deus, que nos renova e nos chama para a Vida. Que a oração seja sempre solidária para todas as pessoas, todas orando por todas, e ao mesmo tempo, servindo umas às outras no cuidado, na prevenção e no apoio aos que sofrem.  Jesus mostrou, no milagre da multiplicação dos pães que a escassez se vence com a solidariedade (leia João 6, sem achar que Jesus era um mágico!).

Também confiemos nas pessoas dedicadas, da comunidade científica que, neste momento, estão agindo para construir vacinas e solução para a pandemia. Oremos por elas e pelos profissionais de saúde que se arriscam tentando salvar os enfermos.

O Deus da Vida, Pai, Filho e Espírito Santo, no abençoe e guarde de toda malignidade! Amém!

Rev. Luiz Caetano, ost +

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.