Artimanhas do Inimigo

Desta vez, apresento um texto extenso, mas creio ser importante para todas as pessoas cristãs.

Satanás é um sujeito muito esperto, que se sente todo poderoso (ou, na verdade, pretendia ser!) cuja tarefa é tentar para depois acusar. Claro que esse sujeito age com a permissão de Deus. O Livro de Jó nos mostra isso, de forma bem clara! A grande arma de Satanás é explorar facilmente os pontos fracos de alguém para atacar esses flancos. É um bom estrategista.

A narrativa da Queda nos mostra a maneira sutil de sua forma de agir: tenta o ser humano com o Poder (ser igual a Deus), aliás, motivo que provocou sua própria expulsão da Corte Celeste. Tendo sido seduzido pelo poder, ele tenta seduzir com a sugestão do pode (cf. Genesis 3.1-6 e a sequência).

Um dos nomes que o identifica é Lúcifer, algo como “Iluminado”, “Grande Luz”! Mas trata-se de uma luz que não ilumina, antes, ela cega! Ao invés de iluminar caminhos, ela cega e não permite que se veja por onde se caminha, e assim acaba-se no abismo da dor e do sofrimento. O Pai da Mentira age de forma sutil, não tão explicitamente como na narrativa da Queda, escrita exatamente de forma simples para que possa ser compreendido como uma advertência e um aviso de cuidado.

O Diabo (nome derivado de uma palavra grega, diabalon, que significa “aquele que quebra, que rompe, que des-une”) lança sua luz ofuscante exatamente sobre as nossas fraquezas, inseguranças, temores e sempre nos ataca em momentos de grande fragilidade.  Cria-nos a vontade obsessiva de manter tudo sob total controle de nós mesmos. Não se trata de inspirar precauções, atitudes de prevenção, mas de nos fazer desejar, que tenhamos total e absoluto controle sobre tudo em nossa vida, fazendo-nos acreditar que assim diminuiremos nossas inseguranças e fraquezas. Leva-nos a agir como se tivéssemos o poder de controlar tudo e impedir que algo de “mal” nos aconteça, ou melhor, algo aconteça sem a nossa vontade e permissão!

O problema da Tentação é que a Luz Diabólica nos faz perder a perspectiva da Graça e da nossa dependência do Amor Supremo. Porque a Tentação vem daquele que é o Egoísmo Supremo, que inspira o Orgulho Exacerbado e a Ilusão do Poder Absoluto. Passamos a querer controlar tudo e todos para que se cumpra sempre a nossa vontade, inspirada pelas nossas frustrações.

O grande prazer do Diabo é provocar mal estar nas relações humanas. É capaz de transformar coisas ínfimas em um enorme problema, abalando nossa segurança e  confiança na direção de Deus. E quanto mais uma pessoa tenta servir a Deus, mais o Diabo a tenta.

Uma das maneiras do Diabo agir contra a Igreja de Cristo é promovendo a cizânia, inspirando “joguinhos de poder”, “estrelismo”, ciumeira, disputas sem sentido; tudo para atrapalhar o senso de solidariedade e cooperação que deveria marcar a vida do Povo de Deus. Aliás, esse é o ponto fraco de qualquer instituição humana, e a Igreja é também uma instituição humana, por isso é falível dessas tentações: as pessoas são falíveis e por isso as instituições também o são.

Na verdade, o Diabo é um bitolado. Usa da mesma armadilha para atrapalhar qualquer iniciativa humana, qualquer forma de organização humana, seja a Igreja, seja o Estado, seja até a família ou a vida conjugal.

Semeando desconfianças, suspeitas, vaidades pessoais e aproveitando-se das nossas fragilidades, o Diabo tenta alcançar seu grande objetivo que é desarticular a ação das pessoas em direção ao Reino de Deus, semeando um clima de permanente desconfiança e suspeita, que vai crescendo à medida que algumas pessoas se deixam levar pelas tentações, como um efeito dominó.  Aproveitando-se da fraqueza de cada pessoa, o efeito dominó vai levando tudo ao mal-estar, à cizânia, e aos sentimentos de raiva, de ira, até chegar ao ódio.  Pequenas atitudes, gestos, são sempre mal interpretados e se transformam em problemas enormes que cada vez mais incentivam as posturas de autodefesa e ataque imediato. Com isso cria-se o afastamento, as pessoas passam a ter receio de expor o que pensam, ou mesmo de tomar iniciativas, ficando todas na defensiva.

Disse acima que a ação do Diabo é permitida por Deus! Será que Deus deseja se divertir às nossas custas? Não!

Deus permite a tentação para exatamente mostrar nossa força: “Bem-aventurado o homem que suporta, com perseverança, a provação; porque, depois de ter sido aprovado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor prometeu aos que o amam” (Tiago 1.12).  Deus  não nos permite uma tentação, ou uma provação maior que a Graça oferecida para superá-la: “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar” (I Coríntios 10.13).

Assim, quanto mais forte for o ataque do Safado, mais forte é a Graça que o Senhor da Vida nos oferece! Ser fortemente tentado é um bom sinal! Sinal que você está caminhando bem na Estrada do Reino, e por isso o Inimigo precisa criar problemas, para paralisar você!

A única maneira de se vencer o Diabo é resistir a ele. São Tiago de Jerusalém nos diz isso: ”Sujeitai-vos, portanto, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós.” (Tiago 4.7). O Diabo é, na verdade um fraquinho: não suporta a resistência, reage sempre como cachorro acuado, aumenta seu ataque, mas perde.

Como resistir? submetendo-se a Deus! Submeter-se a Deus é uma maneira de olhar a vida sem aspirar o controle de tudo. Reconhecer que dependemos de Deus sem que isso nos tolha a liberdade de pensar e agir. Manter a permanente certeza de que a Graça de Deus nos é dada sempre, e que o Senhor cuida dos Seus.  Ter clareza de que o Diabo nos tenta de muitas formas e quanto mais queremos servir a Deus, mais ele vai atacar, por isso, estar atento e sempre colocar-se diante de Deus em oração de súplica e ao mesmo tempo de ação de graças, de gratidão. E, principalmente, manter-se firme na caminhada que é iluminada pela Luz de Deus, através de Sua Palavra recebida desde nossos ancestrais na Fé, e da intimidade com Sua Palavra Encarnada, o Senhor Jesus, o Cristo.

Não podemos controlar tudo, e reconhecer isso é a primeira maneira de resistir ao Diabo. A segunda maneira é ter autocrítica, reconhecer nossos pontos fracos, nossas fragilidades para perceber quando ele nos ataca. A terceira maneira é sempre buscar agir nas nossas relações procurando ver, na outra pessoa, o próximo. Resistindo ao Diabo podemos ser construtores da Paz, agindo em solidariedade e renunciando à primazia de nossa vontade.

       “Ó Deus, que sabes quão frágeis somos, guarda-nos a nós, teus servos e servas, defendendo exteriormente nossos corpos de toda a adversidade e purificando interiormente nossas almas de todo mal pensamento; por Jesus Cristo, nosso Senhor, que vive e reina contigo e com o Espírito Santo, um só Deus , agora e sempre. Amém.”

(Coleta para o 3º Domingo da Quaresma – LOC 1986, p. 118)

Rev. Luiz Caetano, ost+

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.