Cada macaco no seu galho; é isso?

Cada Macaco no seu galhoPara muita gente cristã, a vivência na fé é exatamente isso: cada macaco no seu galho…  Essas pessoas passam o tempo todo buscando resolver suas culpas imaginárias a partir de uma lei moral determinada por um deus cruel e imaturo, cuja única razão de ser é testar seus seguidores diante de um “inimigo”, cuja finalidade é levar os referidos crentes a desobedecer o deus..

Para tais pessoas cristãs, o “mundo” é o lugar do inimigo; então o negócio é fugir do mundo, esconder-se na aldeia da igreja e evitar se contaminar: selecionam suas relações separando as pessoas entre “crentes” e “mundanos”, sem conviver com pessoas diferentes pois são todas pecadoras e podem contaminar.

Solidariedade é sempre (e não a partir de) com os “domésticos da fé”, ou seja, seus iguais. Há até os que não são solidários nem a  estes, pois se estão necessitados é porque não aceitam o que  seu deus lhes provê, ou estão em alguma desobediência secreta… e o deus os está provando.

Embora se reúnam constantemente para louvar e ouvir a “palavra”, seu louvor não é comunitário, mas cada um na sua, como se estivessem em uma danceteria onde cada pessoa dança sozinha ao lado de outras. Chamam isso “liberdade de manifestar o louvor”, mas todo mundo de olho fechado para não ver o outro.  Claro que abraços e demonstrações de carinho se resumem ao mesmo sexo, porque a ”carne é fraca”.  É óbvio: com a repressão do corpo, nada de ”pecado”, e não se pode dar chance ao “inimigo” o qual, mal sabem eles, fica mais forte quanto maior a repressão! (Freud explica, mas Freud é do mundo! não conhece a “palavra”! então, mente!)

“Cada macaco no seu galho, pessoal, porque o diabo anda por ai atazanando a vida da gente para nos separar de deus!” – geralmente é esse o conteúdo básico das pregações e ensino dos seus líderes.

Aliás, tal deus é muito arrogante. Se algo dá certo ou acontece de bom na vida do crente, é bênção. Se acontece algo ruim,  a culpa é do crente, que tem seu coração fechado pelo diabo e não “sabe pedir”. Se alguém lhes ajuda, é o deus usando (usando!!!) o alguém para abençoar o crente – portanto, nada de gratidão ao alguém que ajuda. Mas se alguém os prejudica, é o diabo que usa o alguém; mas, então, o alguém deve ser evitado e segregado, pois vai arder no fogo eterno.

Para tais crentes, o “ama a teu próximo como a ti mesmo” se reduz ao “a ti mesmo”, pois o próximo é algo bem distante e se não for parte da tribo, praticamente não existe.  A grande justificativa é que se eu não cuidar de mim, não posso cuidar dos outros: a tal “filosofia do avião” levada ao extremo…

Ora, nem os macacos são assim;  são primatas, e portanto, a grande maioria das espécies é gregária, vive organizada em grupos, como os humanos – embora não sejam cruéis com os de sua própria espécie, como são os humanos.  Aliás, foram os humanos que inventaram essa de “cada macaco no seu galho” para falarem de si mesmos… curioso, não é?

Mas, o que tem haver Jesus Cristo com macacos? Além de os ter em alta consideração por serem parte da Criação, nada mais.  Jesus se envolve com os humanos.

Cristãos confessam sua fé afirmando a encarnação de Deus, ou seja, Deus deixou Seu galho, para vir se juntar a nós e nos tirar cada um do seu próprio galho e nos colocar, pé no chão, juntos – no mínimo, no mesmo galho!

Que tal olhares ao teu redor, sair do teu galho e dar um abraço naquele irmão ali, solitário no seu próprio galho? sem medo! um abraço, sem medo da “carne”. Jesus ficará contente! Aliás, se souberes olhar, O verás já ali, no galho do solitário e não no galho da tua arrogância.

Rev. Luiz Caetano, ost+

Um comentário em “Cada macaco no seu galho; é isso?”

  1. Pois é, meu caro! Nestes tempos do individuo como absoluto, é assim mesmo. Triste é ver que a maioria das Igrejas, e – claro – o ditos “cristãos” ainda incentivam isso. Outro dia algu´m anúncio que vc pode participar de estudo bíblico através de what’sapp, ou uma videoconferência. Quer dizer, é público; ninguém interage…
    Uma vez conversando com vc, vc falou de um livro do A.C. Clark – Acidade e o Homem – onde a vida é cirtual. Estamos quase chegando lá. Que Deus nos ajude a não chegar! Abração

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.