Feliz Ano Novo!?!?

Início de um ano novo civil. É parte da tradição popular que haja festa e renovem-se as esperanças. Todos os anos, ao iniciar-se um novo ano, as pessoas fazem os mesmos votos, manifestam os mesmos desejos, e renovam as  mesmas esperanças de que o novo ano será diferente, será melhor que o ano que termina.

São muitas as práticas folclóricas, as simpatias feitas para que haja um ano me-lhor: na meia-noite de 31 de dezembro, muitas pessoas se preocupam com a cor da roupa, em comer certas frutas, fixar o pé direito no chão, e outras práticas. Tudo isso como forma de alimentar a esperança. E todo ano ouvimos muitos prognósticos otimistas, e vemos testemunhos de quem no ano findo conseguiu atingir suas metas graças a este ou aquele guru, graças a esta ou aquela prática folclórica. Mas nunca ouvimos sobre quem não teve sucesso… e quando ouvimos, sempre vem a justificativa de que a culpa é daquela pessoa que não fez as escolhas certas ou não se dedicou com empenho…

O que não nos é informado é que a grande maioria das pessoas fracassou! Não conseguiram atingir metas, não tiveram sucesso profissional, não ficaram mais ricas nem tiveram saúde melhor. É parte da estratégia diabólica do sistema omitir essas informações… ou afirmar que a culpa é da própria pessoa. Continue lendo Feliz Ano Novo!?!?

O Salmo 18: no tempo temeroso que vivemos.

Eu gosto de recitar e meditar os Salmos usando a versão do Livro de Oração Comum da nossa Igreja; trata-se de uma versão que procura manter a métrica e o ritmo dos originais hebraicos. Quase diariamente minha oração pessoal é ler salmos e meditar sobre eles.

O Salmo 18 é um daqueles em que o salmista está louvando a Deus por livramento e oração atendida.  Gosto particularmente de alguns versos, que compartilho com vocês (versão do Livro de Oração Comum):

1-2 Com fervor te amo, * ó SENHOR, força minha. 3 O SENHOR é minha rocha, minha fortaleza e meu libertador; meu Deus, rochedo em que me refugio; * meu escudo, minha força salvadora, meu alto retiro.

Já no início, o Salmista afirma sua confiança em Deus. E depois conta:

5 Rodeavam-me laços de morte, * e torrentes de impiedade me amedrontavam.
6 Cercaram-me tristezas do inferno, * e laços de morte me atingiram.

Essas palavras são atemporais! servem para qualquer tempo; valiam no tempo do Salmista, valem ainda hoje! O salmista descreve uma situação terrível que o deixou em estado de depressão. Continue lendo O Salmo 18: no tempo temeroso que vivemos.

Nova esperança para um novo mundo 

Simeão foi um profeta. E posso já imaginá-lo vestindo roupas longas e indo para o templo fazer suas preces. E ele rogava pela vinda do Messias… Aquele que traria a salvação para o mundo: o Cristo do Senhor. Sua vida inteira seguiu aquele curso. Ele esperou pela vinda do Cristo, e quando ele finalmente viu Jesus, ainda um bebê naquele mesmo templo, finalmente ele pode sentir que sua missão foi cumprida (cf. Lucas 2.25-35).

Todos nós temos uma missão neste mundo. Mas às vezes nos perguntamos o porquê de a vida ser tão difícil, ou por que existe tanto sofrimento neste mundo. Quando tento refletir sobre tudo isso, quase desmaio…

O fato é que a vida não tem sido fácil, nem para mim, nem para vocês. Não me é possível lembrar-me de um só mês na minha vida, desde que tinha por volta de treze anos, no qual não fui confrontado com realidades múltiplas – realidades que terei de encarar para o resto da minha vida: intolerância, ignorância, ódio, preconceito, falta de fé, falta de respeito, desespero. E ainda, tenho certeza que meus sofrimentos não são nada comparados ao que muitos homens e mulheres têm passado: guerras, perseguições, prisões e tantos outros impronunciáveis atos de ignorância. Continue lendo Nova esperança para um novo mundo 

Uma comunidade de fé cristã, na Diocese Anglicana do Rio de Janeiro, em comunhão com a Sé de Cantuária; uma comunidade acolhedora, sem imposições moralistas, procurando vivenciar o Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo.