Quem somos nós, os Episcopais Anglicanos?

Anglican Communion
A Comunhão Anglicana

A Comunhão Anglicana é cristã, manifesta sua Fé em Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador. As bases de Fé da Identidade Anglicana são quatro, que formam o que chamamos de Quadrilátero de Lambeth-Chicago: A Bíblia como fundamento da Fé, os Credos Niceno e Apostólico, os Sacramentos básios (Batismo e Santa Eucaristia)  e oa tradição apostólica através do Episcopado Histórico.

Organização da Comunhão Anglicana

A Comunhão Anglicana é formada por Igrejas Nacionais (ou Regionais – subcontinentais), Autônomas e Autóctones, que são chamadas Províncias.  Cada Província tem sua organização própria.

A Província é governada pelo Sínodo Geral, composto pelas delegações clericais e leigas de cada Diocese e mais a Câmara dos Bispos. Os votos são sempre paritários. O Bispo Primaz preside o Sínodo, a Câmara dos Bispos (como Primus Interpares) e a Província, mas não tem jurisdição sobre as Dioceses, além da sua própria. Em termos da Ciência Política, eu diria que o Anglicanismo, como o Protestantismo, adota a forma Parlamentarista de governo.

O Arcebispo de Cantuária, Primaz da Comunhão Anglicana, não tem poder nem jurisdição alguma sobre qualquer outra Província ou Diocese a não ser a sua própria (Diocese de Cantuária).  Portanto, ele não é o “Papa” dos Anglicanos. Não temos nada semelhante ao papado, nunca tivemos e não queremos ter!  O Arcebispo de Cantuária é o símbolo da unidade da Igreja, à medida que a Church of England é a mãe, avó ou bisavó – no caso do Brasil – das demais Igrejas que formam a Comunhão.

A Comunhão Anglicana tem três instâncias consultivas em nível mundial, nenhuma delas com poder deliberativo:

  • a) – A Reunião Anual dos Primazes, presidida pelo Arcebispo de Cantuária, com a participação dos Bispos Primazes de todas as Províncias. Tratam de assuntos de ordem pastoral, litúrgica e buscam aprimorar os laços de Comunhão, e fazem recomendações à Comunhão.
  • b) – O Conselho Consultivo Anglicano, se reúne em média a cada três anos, com delegados episcopais, clericais e leigos de todas as Províncias. Sua finalidade é a discussão de questões que afetam à Igreja, à Comunhão, e suas decisões têm caráter consultivo, sendo tratadas como propostas a serem examinadas e, se for o caso, adotadas ou recusadas pelo Sínodo Geral de cada Província.
  • c) – A Conferência de Lambeth, presidida pelo Arcebispo de Cantuária, reúne todos os Bispos Diocesanos, Coadjutores e Sufragâneos da Comunhão, em todo o mundo. Também é consultiva, e trata principalmente de questões de doutrina, liturgia, pastoral, geopolítica, dentre outros, e encaminha suas recomendações aos Sínodos das Províncias, que podem acatá-las (transformando em norma) ou recusá-las.
Anglicanos no Brasil
Igreja Episcopal Anglicana do Brasil

A Igreja Episcopal Anglicana do Brasil (IEAB) é a Igreja membro da Comunhão Anglicana no Brasil. Hoje o nome “Igreja Anglicana” tem sido usada por outros grupos, mas não têm nenhuma relação com a Comunhão.

A Igreja Episcopal Anglicana do Brasil  é uma Província autônoma e autóctone da     Comunhão. Tem sua própria Constituição, seus Cânones, sua organização e governo, semelhante a qualquer outra Província. Temos um Sínodo Geral que se reúne a cada três anos, o qual elege o Primaz dentre os Bispos Diocesanos. O atual Primaz é o Bispo Naudal Alves Gomes, da Diocese Anglicana de Curitiba .

A IEAB é organizada em Diocese, cada uma delas governada por um Bispo em conjunto com um Conselho Diocesano, do qual fazem parte, de forma paritária, clérigos e leigos eleitos pelo Concílio da Diocese (assembleia anual). A maior autoridade de uma Diocese é seu Concílio, formado pelas delegações leigas de todas as comunidades, mais o clero e o Bispo.

Somos nove Dioceses no Brasil mais um Distrito Missionário. Nossa Paróquia é parte da Diocese Anglicana do Rio de Janeiro (DARJ).

A IEAB hoje é resultado da união três grupos de ação e presença  anglicana no Brasil: a) os missionários que, vindos dos EUA, iniciaram a missão no Rio Grande do Sul em 1890; b) as antigas capelanias britânicas em solo brasileiro (por força do Acordo Comercial com o Império Britânico em 1810);  c) os clérigos-missionários que vieram do Japão, no contexto da imigração japonesa, e desenvolveram igrejas no interior de São Paulo e Norte do Paraná.

Você é sempre bem-vindo e bem-vinda em qualquer comunidade da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil.

Rev. Luiz Caetano, ost+

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.