Arquivo da tag: Ética Social

ÉTICA CRISTÃ

Vamos buscar uma pista sobre Ética Cristã, lendo I Tessalonicenses 4.1-12:

  •  Finalmente, irmãos, pedimos a vocês e os exortamos no Senhor Jesus que, assim como aprenderam de nós a maneira como devem viver e agradar a Deus, e efetivamente o estão fazendo, vocês continuem progredindo cada vez mais. 2 Porque vocês sabem quantas instruções demos a vocês da parte do Senhor Jesus. 3 Pois a vontade de Deus é a santificação de vocês: que se abstenham da imoralidade sexual; 4 que cada um de vocês saiba controlar o seu próprio corpo em santificação e honra, 5 não com desejos imorais, como os gentios que não conhecem a Deus. 6 E que, nesta matéria, ninguém ofenda nem defraude o seu irmão. Porque, contra todas estas coisas, como antes já avisamos e testificamos, o Senhor é o vingador. 7 Pois Deus não nos chamou para a impureza, e sim para a santificação. 8 Portanto, quem rejeita estas coisas não rejeita uma pessoa, mas rejeita Deus, que também dá o seu Espírito Santo a vocês. 9 Quanto ao amor fraternal, não há necessidade de que eu lhes escreva, porque vocês mesmos foram instruídos por Deus a amar uns aos outros. 10 E, na verdade, vocês já estão fazendo isso em relação a todos os irmãos em toda a Macedônia. Porém, irmãos, exortamos vocês a que progridam cada vez mais 11 e se empenhem por viver tranquilamente, cuidar do que é de vocês e trabalhar com as próprias mãos, como ordenamos, 12 para que vocês vivam com dignidade à vista dos de fora, e não venham a precisar de nada.

Escrevendo à Igreja da Tessalônica, o Apóstolo Paulo exorta os cristãos e cristãs a viverem de forma diferente em relação aos incrédulos. Infelizmente, costumamos dar atenção apenas aos versículos 3 a 5, como se o Apóstolo quisesse reprimir toda a sexualidade. Assim, perde-se o cerne da perícope, a proposta de uma postura ética diante da sociedade que torna o povo cristão distinto dos demais, não como povo superior, mas como povo obediente a Deus que testemunha uma vida social saudável em suas comunidades.

Neste pequeno texto temos um bom resumo da Ética cristã. A Ética que nasce a partir do Evangelho e não uma moralidade moldada por regras de controle e repressão. A Lei da Liberdade, da qual nos fala Tiago (cf. Tiago 1.22-25). A Ética cristã não se limita a um código moral, mas resulta do confronto da Palavra de Deus com a realidade do mundo onde estamos inseridos. A Ética de quem ouve e pratica a Palavra de Deus, não em cega obediência, mas como fruto de uma reflexão consciente e um desejo de cumprir a vontade de Deus e, a partir daí, adotar uma atitude diante da sociedade. A Ética da Liberdade e do Amor é a postura diante do mundo a partir da nossa vivência pessoal com Cristo, do conhecimento e da prática de Sua Palavra.

Rev. Luiz Caetano, ost+

Viver à luz de Cristo numa sociedade plural

Banner-Louvor

Uma das tentações mais comuns que incorrem nas pessoas cristãs é a de se isolar “do mundo”. Ou seja, tudo que tem a “aparência de mundo” necessita ser evitado: festas, bebidas, diversão, música, danças e outras alegrias obviamente chamadas de mundanas. Esse preconceito não é somente de certos meios evangélicos e pentecostais, tem raízes históricas muito mais profundas, e grupos similares que buscavam se “isolar do mundo” estão presentes em quase todas as eras. É só vasculhar um pouco a História da Igreja para encontra-los.

Um dos teólogos que mais escreveu sobre o relacionamento entre Cristo e cultura foi Richard Niebuhr. Seu livro sobre o assunto foi referenciado em várias obras ao longo da segunda metade do século XX e até os dias de hoje. Para Niebuhr, o cristianismo tem respondido à cultura de cinco diferentes modos principais: Continue lendo Viver à luz de Cristo numa sociedade plural

Como o diabo faz o Inferno parecer o Céu

Grande parte da população é composta por pessoas que agem sem pensar; que, pela ignorância induzida, se deixam levar pelas mais vergonhosas formas de publicidade, convencidas, por exemplo, que precisam comprar o último modelo de um simples telefone celular  para serem reconhecidas e respeitadas pelas outras pessoas que, por isso mesmo, debocham e manifestam seu desgosto porque certa pessoa não tem o último modelo… o qual, até então, não lhe fazia falta e realmente não lhe faz falta a não ser para ficar “por dentro, ou seja, ser reconhecida e acolhida pelas outras pessoas  como “normal”, “atual”, “moderno”, “in”, … essas babaquices todas!

A economia capitalista necessita do consumo para crescer; o consumo, para se manter crescente e cada vez mais produtor de riqueza (que não é distribuída, mas acumulada por poucos), necessita de produtos que durem pouco, porque afinal a quantidade de consumidores não é infinita… ou seja, o mercado precisa que a gente re-consuma as coisas para se manter ativo… e por isso inventa necessidades que não temos para que pensemos que as temos (para isso serve a publicidade, indutora de “valores de felicidade”) e com isso, consumir aquilo que nos convencem ser realmente necessário para sermos felizes! É mais ou menos isso que se chama “realidade líquida” (cf. Zygmunt Bauman).

A massa se encanta com as “novas” tecnologias, que se apresentam no mercado como surgidas de forma mágica, do nada, massa fica admirada com a capacidade científica do Império… Na verdade, quando uma “nova” tecnologia surge no mercado, ela já está ultrapassada e com prazo contado para durar (hoje em dia, algo em torno de seis meses no máximo). Continue lendo Como o diabo faz o Inferno parecer o Céu