Arquivo da tag: Ética

Papo com um ateu

Debatendo_AteuParece piada, mas essa conversa aconteceu há muitos anos atrás, entre eu e um grande amigo que se dizia ateu. Ele era um acadêmico da área de exatas; na verdade, ele era meu professor de Cálculo de Predicados, o nome matemático da Lógica. Eu já estava estudando teologia e estava concluindo o curso de Matemática.  Vou chamá-lo de Carlos, mas na verdade ele era chinês, um grande professor e renomado matemático apesar de sua pouca idade, antes de 40 anos. Carlos era fluente em cinco línguas!

Naquela ocasião eu já era cristão. Estávamos sempre juntos resolvendo problemas de Xadrez na sala do Centro Acadêmico da Faculdade. Vez em quando ele puxava a conversa para o tema da religião.

_”Você diz que tem fé, não é, Caetano? Já imaginou se você gasta sua vida nessa fé e depois de morto descobre que Deus não existe?  Perdeu sua vida crendo numa bobagem!”

_”Já pensei nisso, sim, Carlos. E só me fez ficar mais firme na fé!”

_”Como assim?!?!” Continue lendo Papo com um ateu

Por que Deus permite o sofrimento?

Jó 1Diante de uma tragédia, do sofrimento,  sempre se pergunta: ”por que Deus permite isso?”  Não precisa ser uma grande tragédia! Falo também das nossas pequenas tragédias cotidianas, situações que nos deixam cheios de interrogação e indignados: porque acontecem coisas ruins com boas pessoas?

É compreensível, pelo senso comum, que pessoas más devam sofrer. Esse é um sentimento que aflora naturalmente – um desejo de vingança contra os maus que se denomina justiça: dar a cada um a punição  que merece!

Porém, o sofrimento de uma pessoa boa, bondosa, é incompreensível! “Mas por que com ele?  ele não merecia isso!”  são expressões que ouvimos sempre, pois contradizem o senso comum de justiça. Continue lendo Por que Deus permite o sofrimento?

Deus não escolhe pelo mérito.

Já no Antigo Testamento vemos sinais disso, que Deus não atua em função do mérito, mas em função de sua inigualável bondade: Deus não escolheu pessoas especiais, mas escolheu pessoas comuns e muitas vezes consideradas más pessoas.
Escolheu Jacó que enganou seu pai Isaac e roubou a primogenitura de seu irmão Esaú; escolheu Salomão, filho de um adultério e um assassinato; escolheu Oséias, um homem amargurado pela esposa adúltera porém muito amada; marcou Caim, fratricida, com um sinal para que ninguém o perseguisse; escolheu Davi, um pirralho por quem ninguém dava nada; escolheu Moisés, homem gago e foragido, como seu porta-voz diante do Faraó; e muitos outros casos podemos ver examinando o texto sagrado.
Essas escolhas imerecidas de Deus continuam no Novo Testamento: chamou Maria, jovem prometida em casamento a um homem idoso, que vivia em um vilarejo longe de tudo e na Galiléia, local considerado de segunda categoria pelos judeus; revelou-se aos magos do oriente, gentios e pagãos, que cultuavam deuses siderais, e revelou-se aos pastores, homens rudes e ignorantes; mas não se revelou ao rei Herodes, ou ao governador romano, e tampouco aos religiosos daquele tempo; entre os antepassados de Jesus havia uma prostituta; Jesus escolheu como discípulos, um pecador público (Mateus), pescadores simples e iletrados como Pedro, Tiago e João, um guerrilheiro zelote (Simão); confiou a Saulo de Tarso, que participou do assassinato de Estevão e matava cristãos, a tarefa de ser Seu anunciador aos povos fora da Palestina…

Continue lendo Deus não escolhe pelo mérito.