Uma nova identidade

paisagem_e_cruzTalvez o maior pecado da igreja contemporânea seja justamente a tentativa de “domesticar” quem Jesus venha a ser ou tenha a dizer. Domesticar significa encaixá-lo dentro de padrões que pensamos ser os corretos, os necessários. u seja: buscar explicar a Cristo, e ao Evangelho, dentro de uma ótica nossa, colocando a mensagem de Jesus a nosso serviço, explicando-a de modo a corroborar nossas próprias ações, justificar o que pensamos ou endossar nossos próprios comportamentos. Duvidam? Acontece o tempo todo.

Não era diferente para os discípulos. A grande esperança deles era libertar-se do domínio do Império Romano. Ao andarem com Jesus, e verem seus milagres, logo pensaram, naturalmente, que Jesus iria salvá-los do jugo romano. O prospecto de ver o Messias sendo sacrificado era de difícil compreensão para eles.

Como é para nós. Perdemos a real compreensão do que é levar a nossa cruz, essa senda de horror que leva o Cristo ao sacrifício de si mesmo. O sacrifício de Cristo é domesticado e reinterpretado, para nós, como pequenas concessões do dia a dia, quando na verdade, deveríamos buscar, no íntimo do nosso ser, uma completa mudança de nossas ações, de nossos gestos, de nossos pensamentos. Enfim, tornarmo-nos novos, à imagem do Cristo.

O caminho de Cristo é o caminho que leva à cruz. Mas não leva à cruz num caminho alegre e verdejante. Leva-nos à cruz que nós mesmos carregamos. Sim, a cruz é para ser levada na peregrinação, mas não é o alvo final. O sacrifício, e a vitória, são precedidos pela tormenta de carregar a cruz.

Quando moldamos o Cristo e forçamos o Evangelho, estamos mais preocupados em ganhar nossas vidas. Queremos “enfeitar” o caminho. Queremos plantar flores, embelezar nossa caminhada pela vida. E o perdemos.

Quando renegamos nossa vida, dizemos não ao nosso ser, aceitamos o desafio de tomar novo nome, nova identidade, de sermos moldados por Cristo, ganhamos nossa vida.

E você? Qual é a sua nova identidade? O que você deixará para trás? O que é a sua cruz a carregar? Ao caminharmos com Jesus, tenhamos em mente que o caminho não é belo, e não é o que nós queremos percorrer, e sim o caminho em que carregamos a cruz.

Rev. Luiz Coelho +

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.